Última Postagem

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Calendário Pagamento dos Servidores do Estado- 2015

|0 comentários
O Governo de Pernambuco divulgou nesta quarta-feira (21) o calendário de pagamento dos servidores para o ano de 2015. Com 225 mil servidores (138 mil ativos – 61%; 61 mil aposentados – 27%; e 26 mil pensionistas – 12%), a folha de pagamento do governo estadual está orçada em R$ 8,2 bilhões ao ano.
O calendário anual foi instituído em 2007 e desde então vem sendo cumprido pela administração pública. Segundo o governo, o comprometimento com da Receita Líquida Corrente com despesas de pessoal é de 44,78%.
O calendário é organizado da seguinte forma: aposentados e pensionistas recebem no antepenúltimo dia útil de cada mês; servidores ativos da Secretaria de Educação e do Conservatório Pernambucano de Música, têm os salários pagos no penúltimo dia; e os servidores dos demais órgãos e entidades estatais recebem os proventos no último dia útil de cada mês.
Confira o calendário completo de 2015:

sábado, 17 de janeiro de 2015

Você conhece o PNE?

|0 comentários

pne

Clique no Link abaixo e conheça o PNE 2014, que será ferramenta essencial para nós professores nos próximos anos.

http://mobile.cnte.org.br:8080/legislacao-externo/rest/lei/100/pdf

Fonte; CNTE

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Por que os Brasileiros reelegem corruptos?

|0 comentários

1421064173

Reeleio de corruptos e o paradoxo do brasileiro

Por que os brasileiros abominam os políticos corruptos e frequentemente os reelegem? Por que 250 mil paulistas reelegeram Paulo Maluf, mesmo depois de ele ter sido, na Suíça, o protagonista involuntário (“Sr. Propina”) de uma propaganda contra a corrupção mundial? Suely Campos (PP) se tornou governadora de Roraima porque seu marido (ex-governador Neudo Campos) foi barrado pela Lei da Ficha Limpa (foi preso e declarado improbo judicialmente). Assumiu o cargo e nomeou 19 parentes para vários cargos públicos. Juntos receberão R$ 398 mil por mês. Nepotismo deslavado. Justificou-se dizendo “ser prática comum na história de Roraima [na verdade, faz parte da história do Brasil]”. Nota-se que ela está cumprindo o que prometeu na campanha: “Implementarei políticas para mulheres, para jovens, crianças e também para a família”. Mais uma expressão do sistema hiperviciado brasileiro (veja Oliveiros S. Ferreira, Teoria da Coisa Nossa), que criou um Estado com um lado monstruoso caracterizado pela plutocracia (Estado governado ou influenciado por grandes riquezas), cleptocracia (Estado cogovernado por ladrões) e genocidiocracia (Estado que pratica ou tolera a violação massiva – e normalmente impune – dos direitos fundamentais, direta ou indiretamente voltada para o extermínio de pessoas predominantemente pertencentes a etnias ou classes sociais desfavorecidas).

O “paradoxo do brasileiro” é uma provocação à lógica. Não há brasileiro que não esteja indignado com “tudo isso que está aí” (corrupção, roubalheira nos órgãos públicos, financiamentos eleitorais indecentes, morosidade da Justiça etc.). Os padrões de convivência civilizada sempre estão deteriorados. O moderno convive com o arcaico. Fabricamos aviões e ainda contamos com 13 milhões de analfabetos (e 3/4 da população são analfabetos funcionais). Os serviços públicos são indecentes. As humilhações, consequentemente, são constantes. O brasileiro anda descontente, angustiado, indignado e revoltado com a situação do país, com a corrupção, com os políticos desonestos, com as falsas promessas, com o nepotismo, fisiologismo (troca de favores e benefícios) e tantas outras coisas. Todos com quem conversamos querem mais ética e mais justiça, menos inflação, mais igualdade, mais eficiência no serviço público; mais ordem, mais segurança, mais hospitais, mais médicos. Cada um de nós protesta, reclama, amaldiçoa, abomina, critica.

Individualmente não concordamos com “nada do que está aí”. Temos a crença e o sentimento de que somos pessoalmente muito melhor do que essa bandalheira que grassa pelo país afora. Ninguém aceita, ninguém está de acordo com o mar de lama, o deboche e a vergonha da vida pública e comunitária que nos aflige. Coletivamente, no entanto, o resultado final de todos nós juntos é tudo isso que está aí (esse é o “paradoxo do brasileiro”, desenvolvido por Eduardo Giannetti, Vícios privados, benefícios públicos?: 12 e ss.). Pessoalmente (e no plano dos discursos: orais ou nas redes sociais) somos (e vendemos) a imagem do que gostaríamos de ser (honestos, probos, íntegros, avançados, progressistas, amistosos, cordiais etc.). Discursamos sempre de acordo com essa imagem. Coletivamente não somos nada (ou somos muito pouco) dessa imagem que gostaríamos de ser. É por isso que o todo é muito menos que a soma das partes. Se o produto final (nós como um todo) é horroroso, indecente, indolente, mal-afamado (a classe política nada mais é que uma síntese ou espelho da sociedade que temos), como isso pode acontecer, se nos nossos discursos somos éticos, exemplares, leais, cordiais e probos? Por que discursamos como suecos civilizados e nossa sociedade como um todo é, em termos civilizatórios, tão indecente, tão aberrante, tão brasileira? Por que discursamos como os melhores motoristas do mundo e o resultado final são 45 mil mortos por ano no trânsito, milhares de aleijados, mais de meio de milhão de feridos? Por que bradamos por honestidade e reelegemos Maluf, Renan, Sarney e tantos outros políticos declaradamente desonestos?

Eduardo Giannetti (citado) explica: “A auto-imagem de cada uma das partes – a ideia que cada brasileiro gosta de nutrir de si mesmo – não bate com a realidade do todo melancólico e exasperador chamado Brasil. Aos seus próprios olhos, cada indivíduo é bom, progressista, e até gostaria de poder ‘dar um jeito’ no país. Mas enquanto clamamos pela justiça e eficiências, enquanto sonhamos, cada um em sua ilha, com um lugar no Primeiro Mundo, vamos tropeçando coletivamente, como sonâmbulos embriagados, rumo ao Haiti. Do jeito que a coisa vai, em breve a sociedade brasileira estará reduzida a apenas duas classes fundamentais: a dos que não comem e a dos que não dormem. O todo é menor que a soma das partes. O brasileiro é sempre o outro, não eu”. Nisso reside uma amostra da psicologia moral brasileira. Que é volúvel. Há momentos de ufanismo com o país (“abençoado por Deus e bonito por natureza”). Narcisismo inveterado. Fora dele, quanto mais a situação do país piora, mais cultivamos nossa auto-imagem (de impoluto, honesto a toda prova, probo, altaneiro). E quanto mais incrementamos nossa auto-imagem individual, mais o coletivo se afunda na bandalheira, na roubalheira. Mais reelegemos os políticos reconhecidamente corruptos. Esse é o “paradoxo do brasileiro”.

Reeleio de corruptos e o paradoxo do brasileiro

Luiz Flávio Gomes

Luiz Flávio Gomes

Professor

Jurista e professor. Fundador da Rede de Ensino LFG. Diretor-presidente do Instituto Avante Brasil. Foi Promotor de Justiça (1980 a 1983), Juiz de Direito (1983 a 1998) e Advogado (1999 a 2001). [ assessoria de comunicação e imprensa +55 11 991697674 [agenda de palestras e entrevistas] ]

Fonte: Matéria original no Jus

http://professorlfg.jusbrasil.com.br/artigos/160117551/reeleicao-de-corruptos-e-o-paradoxo-do-brasileiro?utm_campaign=newsletter-daily_20150112_593&utm_medium=email&utm_source=newsletter

Sintepe aprova novo piso, mas espera aumento prometido por Paulo Câmara.

|0 comentários

 / Foto: Guga Matos/JC Imagem

Foto: Guga Matos/JC Imagem

Em Pernambuco, a notícia do aumento de 13,01% no piso salarial dos professores da educação básica foi bem recebida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe). Para o coordenador geral do Fórum Nacional de Educação e diretor do sindicato, Heleno Araújo, o reajuste é uma vitória para a categoria, no entanto, a luta por melhores salários ainda tem um longo caminho.
O salário do docente da rede pública do País, do ensino infantil ao médio, com jornada de 40 horas semanais, passou dos atuais R$ 1.697 para R$ 1.917,78. "Esse valor deve ser tido apenas como referência. O ideal é que o salário seja maior para que o professor possa ter um vínculo exclusivo com uma escola", avaliou Heleno Araújo. Atualmente, de acordo com o sindicato da categoria, Pernambuco vem cumprindo os valores estabelecidos pelo piso nacional dos professores.
Apesar disso, para o diretor do Sintepe, o salário ideal para o professor de nível médio estaria em torno dos R$ 3 mil, já o docente com ensino superior deveria receber cerca de R$ 4,5 mil. Tendo em vista esses valores, Heleno Araújo alerta que o aumento em Pernambuco deve ser ainda maior do que o que foi anunciado pelo Governo Federal.
"Aqui o novo governador Paulo Câmara prometeu dobrar o salário do professor até o final dos quatro anos de governo, para isso, só esse ano o aumento tem que ser de 25%. Se o Governo Federal já deu 13%, agora faltam 12% do Estado", explicou Heleno Araújo. Ele ainda alerta que, para que Pernambuco possa pagar os vencimentos prometidos, é preciso planejamento. "Se eles [Governo Estadual] dizem que a Educação é prioridade, é preciso tomar medidas para que essa promessa saia do papel", comentou.
O percentual do aumento foi divulgado na tarde desta terça-feira (6) pelo Ministério da Educação e segue fórmula estabelecida em lei de 2008. No ano passado, o reajuste foi de 8,34%. De acordo com levantamento mais recente da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), de maio do ano passado, 10 Estados ainda pagam abaixo do piso.
* A reportagem entrou em contato com a Secretaria Estadual de Educação mas, até o fechamento desta matéria, não obteve resposta.

FONTE: NE10

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Piso Nacional dos Professores tem novo valor definido..

|0 comentários

Piso

Na noite de terça-feira (6), o Ministério da Educação anunciou o percentual de 13,01% para o reajuste do piso salarial profissional nacional do magistério público da educação básica. Assim, o valor passa de R$ 1.697,00 para R$ 1.917,78.

Não obstante a polêmica em torno do critério de reajuste do piso – a CNTE defende a atualização através de percentual prospectivo (o mesmo que atualiza anualmente o Fundeb) e o MEC, amparado em parecer da Advocacia Geral da União, tem procedido o reajuste com base no crescimento do valor per capita do Fundeb de dois anos anteriores –, fato é que, para este ano, o percentual de correção do piso deve atender a expectativa de cumprimento da meta 17 do Plano Nacional de Educação, que estabeleceu prazo de 6 anos para equiparação da renda média do magistério em relação a outras categorias profissionais com mesmo nível de escolaridade.
Estudos da assessoria do Ministério da Educação, com base na Pnad-2012, revelam que os profissionais do magistério com formação de nível superior possuem renda média 35% inferior à dos demais profissionais não professores. E para que esta realidade seja alterada, é imprescindível que o piso nacional tenha impacto nos planos de carreira, beneficiando a todos os educadores, devendo a atualização dos salários do conjunto do magistério nacional ser superior à inflação e à atualização das demais categorias.
Embora seja considerável a correção do piso nos últimos 6 anos (101,87%, sendo 67,2% acima da inflação), o patamar inicial de R$ 950,00 não correspondia à exigência de valorização do magistério, tal como ainda ocorre hoje. Daí a necessidade de se manter essa importante política de resgate histórico de uma categoria profissional estratégica para o país, mas que historicamente sofreu intenso processo de exploração do trabalho num contexto político de desqualificação da escola pública.
Sob o lema “Brasil, Pátria Educadora”, a presidenta Dilma pretende fazer as mudanças que ainda precisam ser feitas para que o país tenha uma educação pública de qualidade. Muitos são os desafios, e a valorização dos profissionais da educação (inclusive dos funcionários escolares) é condição essencial para que o objetivo seja alcançado. Afinal, o piso do magistério ainda encontra-se 34% defasado em relação ao Salário Mínimo Necessário do DIEESE – embora essa diferença fosse de 109,18% em janeiro de 2010, quando se concedeu o primeiro reajuste do piso do magistério – e nem todos os profissionais da educação têm direito ao piso nacional ou integram planos de carreira específicos para os trabalhadores da educação nos estados e municípios.
O desafio, agora, é fazer com que o piso seja cumprido em todos os entes federados, e a CNTE convoca a categoria para ampla mobilização nacional em defesa do cumprimento da Lei do Piso e pela regulamentação dos royalties do petróleo com destinação dos recursos também para os salários dos educadores.

FONTE: CNTE

Desaparecida de Garanhuns é encontrada Morta.

|0 comentários

Essa é destaque no Portal V&C Garanhuns:

O desaparecimento de uma mulher em Garanhuns, que já durava 25 dias, teve um desfecho trágico relevado na noite desta quarta-feira, dia 7. O Corpo encontrado, no último dia 27 de dezembro, sem a cabeça numa uma área de difícil acesso nas imediações do Santuário Mãe Rainha é mesmo de Leidjane Barbosa da Silva. Ela estava desaparecida desde o dia 13 de dezembro, quando saiu de sua casa para receber um dinheiro no Parque Fênix .

A confirmação de que o Corpo é da Jovem desaparecida foi repassada pela Polícia, levando os seus familiares a ficaram em estado de choque, já que ainda tinham esperança de encontrá-la com vida.
A identificação do corpo foi feita pelo IML, através de um exame das impressões digitais. A família segue na manhã dessa quinta-feira, dia 8, para Caruaru, a fim de providenciar a liberação do Corpo. O horário do velório e sepultamento ainda serão definidos. A expectativa agora é que a Polícia Civil intensifique às investigações e encontre o(s) autor(es) daquele bárbaro homicídio


(Com informações do Portal V&C Garanhuns - http://www.vecgaranhuns.com/ )

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

FELIZ ANO NOVO–2015 de Muita Paz.

|0 comentários

ano novo

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Poesias Natalinas–FELIZ NATAL

|0 comentários

10842097_10204526685400147_4963866163517947442_o

O meu Papai Noel

O meu Papai Noel nada tinha a ver com aquele Papai Noel do qual me falaram quando eu era uma criança.
O meu Papai Noel não era um velho gordo, de barba comprida.
Ele era jovem, esguio, tinha uma excelente fisionomia e
possuía uma barba não muito longa nem tampouco grisalha.
Os seus olhos transmitiam um misto de piedade e esperança.
O meu Papai Noel não andava sobre um trenó.
Muitas vezes o viram caminhando sobre os montes, sobre as terras quentes dos desertos e
até sobre as águas do mar... Montado no dorso de uma jumenta, um dia,
ele adentrou, triunfante, numa cidade chamada Jerusalém.
O meu Papai Noel não usava gorro.
Cingiram a sua cabeça com uma torturante coroa de espinhos pontiagudos.
O meu Papai Noel não transportava um saco repleto de brinquedos.
Nas costas dele havia uma cruz de madeira rústica, muito pesada, e o
púrpuro líquido que jorrava de seu corpo era o preço do perdão, o sangue da misericórdia.
O meu Papai Noel não chegava às casas através das chaminés.
Ele buscava as portas do coração e da alma.
O meu Papai Noel chama-se Jesus Cristo, o Filho de Deus.
O maior exemplo de amor, de perdão e de bondade já visto no mundo.
Ele é o nosso maior presente!
Poeta e Professor Ivo Júnior (Salgueiro – PE)

sertanejo

PAPAI NOEL SERTANEJO
Imagino um Papai Noel Sertanejo. Um Papai Noel vivendo numa terra seca, no epicentro da caatinga, sob um sol causticante, sobre um chão tórrido. Um Papai Noel sem renas, mas montado num jumento. Um Papai Noel sem gorro, mas usando chapéu de couro. Um Papai Noel magro, artesão, vaqueiro, um herói anônimo. Um Papai Noel residindo distante das cidades grandes. Um Papai Noel que não conhece shopping Center. Um papai Noel que confecciona bonecas de ”sabugos” de milho, bonecos de madeira rústica, carrinhos de latas de óleo comestível, mamulengos de isopor e caroá, além de outros brinquedos a fim de arrancar sorrisos das crianças do lugar. Um Papai Noel super-homem, superando adversidades, rompendo barreiras, enfrentando o estigma das longas estiagens. Um Papai Noel de coração terno, de alma branda. Um Papai Noel honesto, desprovido de orgulho, semianalfabeto, letrado na arte de suportar problemas. Um Papai Noel temente a Deus, um homem simples, um sertanejo.
POETA E PROFESSOR IVO JÚNIOR. ( Salgueiro – PE)

sábado, 20 de dezembro de 2014

Atenção!!!! Atenção!! Professores de Educação Física

|0 comentários

Cartaz PRORROGAu00C7u00C3O

 

Olá, A todos e todas!

Teremos até o dia 10 de Janeiro Inscrições para o Curso de Acessibilidade na Educação Física Escolar, as Inscrições são gratuitas. Veja mais detalhes no cartaz acima.

Augusto Souto

Coordenação Regional SINTEPE

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Governo do Estado desvia dinheiro do SASSEPE?

|0 comentários

 sassepe

Informações publicadas na imprensa pernambucana dão conta que dinheiro que seria destinado para o Sassepe será encaminhado à Funase.
A grande imprensa tem veiculado há alguns dias uma notícia que tem deixado a ASSEPE e todos os beneficiários (as) do SASSEPE altamente preocupados, e exigem que o governo responda urgentemente à questão. É verdade que recursos do SASSEPE no valor de 8,6 milhões foram destinados à FUNASE?
A primeira nota na imprensa foi publicada no dia 19 de novembro, no Jornal do Commercio. Na ocasião, os beneficiários (as) manifestaram indignação, através do mesmo veículo e o governo não se pronunciou. A segunda nota foi publicada no dia 10 de dezembro, no mesmo jornal e o governo continua em silêncio.
O SASSEPE tem um débito estocado com os credenciados de mais de 50 milhões de reais. A maior receita/mês é a contribuição dos servidores. Em abril deste ano, houve um aumento na contribuição com aumento (18,5 milhões de reais). Enquanto isso, o governo arca com 6,3 milhões de reais no caixa mensal do SASSEPE. Diante disso, como o governo do estado pode financiar outros órgãos ou setores?
Os (as) mais de 190 mil beneficiários (as) que usam os serviços sabem as dificuldades que têm enfrentado na hora que buscam a assistência. São consultas marcadas para 30 dias ou mais, exames básicos marcados para até seis meses, cirurgias marcadas para mais de 6 meses quando, mesmo com vários (as) pacientes precisando deste atendimento com urgência. O Hospital Âncora do SASSEPE (HSE), está desabastecido, com reformas a passos mais do que lentos por falta de recursos. A estrutura apresenta problemas como elevadores quebrados. Os pacientes fazem filas intermináveis ondem buscam atendimento e muitas vezes não conseguem receber a assistência pela quantidade insuficiente de profissionais para responder à demanda.
Estamos do lado da FUNASE, os recursos destinados ao setor precisam ser ampliados e a responsabilidade é do governo que deve suprir as demandas do órgão com recursos públicos. Os parcos recursos do SASSEPE, não podem ser desviados para custear o que não está previsto em lei. O governo está devendo essa resposta aos servidores e à sociedade. Resposta já!

Cynthia Ribeiro

Jornalista - DRT 3254

Fone: (81) 8466.3771

--

ASSEPE - ASSOCIAÇÃO CIVIL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

RUA SÃO SALVADOR, Nº 138 - ESPINHEIRO - RECIFE/PE - CEP 52.020-200 - CNPJ Nº 05.092.904/0001-08

FONE/FAX: (81) 3223.5834 (CASA DE APOIO)

ESCRITÓRIO PARA ATENDIMENTO: HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO - HSE

AV. CONSELHEIRO ROSA E SILVA, S/N - ESPINHEIRO - RECIFE/PE

FONES: (81) 3183.4628 FAX (81) 3183.4696

(AO LADO DA SALA DO SETOR DE NUTRIÇÃO)

sábado, 13 de dezembro de 2014

Homenagem a Luiz Gonzaga- Cronologia de 1709-1989

|0 comentários
trio_formacao_decada_1950_thumb[2]
1709

Vindo de Portugal, Leonel Alencar chega na região do Exu. Confraternizando com a tribo de índios que vivia ali, os Açus, cuja corruptela do nome daria Axu e logo depois Exu, Leonel Alencar, acompanhado de 3 irmãos, fundou a fazenda Várzea Grande. Depois nasceram as fazendas, Caiçara, de Bodocó, de Salgueiro e da Gameleira. Nesta última, situada no pé da serra do Araripe foi fundado posteriormente o povoado de Exu. Hoje chamado de Exu Velho.

1779

O termo de Exu, situado junto a Serra do Araripe, foi confirmado como Freguesia em 14 de Outubro deste ano.

1846

A Freguesia do Exu foi elevada à Povoação em 30 de Maio deste ano, pela Lei 150.

1858

A Povoação do Exu foi confirmada como Vila em 02 de Junho deste ano, pela Lei 442.

LuizGonzaga
1860

Chega na serra do Araripe, Da. Januária, vinda de Missão Velha no Ceará. Acompanhada de sua filha Efigênia, se empregou na fazenda Caiçara. José Moreira Franco de Alencar casou com Efigênia. Da união nasceram quatro filhas, uma delas Ana Batista, conhecida por Santana. Quando completou 15 anos, Santana viu chegar na Fazenda Caiçara, Januário e seu irmão mais velho, Pedro Anselmo, oriundos não se sabe se de Flores ou de Pajeú das Flores, em Pernambuco. Januário foi logo deitando os olhos em Santana.

1863

A sede da então Vila do Exu foi transferida para Granito, por força da Lei 548 de 09 de Abril deste ano. Exu possuía neste último ano um Juiz Municipal, um Tabelionato, três Distritos de Paz, um Subdelegado de Polícia, uma agência de Correios, 27 eleitores, estando subordinada a Comarca de Cabrobó.

1888

Bem no estilo feudal era senhor de braço e cutelo de Exu, Gualter Martiniano de Alencar Araripe, que em 15 de Novembro deste ano foi agraciado pelo Imperador D. Pedro II com o título de Barão de Exu.

1909

Januário José dos santos, vindo dos Quidutes e dos Anselmos. Conhecido tocador de fole de 8 baixos, subiu a encosta da Serra do Araripe com destino à chapada. Mas ficou na Fazenda Caiçara, quase no sopé da Serra, na fazenda do Barão do Exú, bem onde começava o Rio Brígida que ia desembocar no São Francisco.

Ana Batista de Jesus, ou simplesmente Santana. Era uma cabocla bonita, e deixava muito olhar na esteira do seu caminho, sedentos daqueles olhos bonitos , daquele gingado de marrã bravia. Daí o cuidado de Efigênia, sua mãe, conhecida por por Figênia.

Espantava os mais afoitos, animava os de melhor qualidade. E Januário caíra nas suas graças. E na Igreja de Exú, em Setembro de 1909, o casamento foi feito, sem arranjo, sem arrumação e principalmente sem samba.
Claro: o único tocador de forró da região era o noivo...
E numa casucha construída com os amigos, Januário lá se foi morar com Santana, morena formosa e de olhos estranhamente verdes, que endoidavam os cabras. E Januário tinha pressa, não ia perder tempo depois dos sacramentos...
" Fez cum ela o sanfoneiro
Um casamento feliz
E dos nove qui nascêro
Um desses nove é Luiz..."

1912

No dia 13 de Dezembro, uma sexta-feira, nasce, na fazenda Caiçara, terras do barão de Exu, o segundo de nove filhos do casal Januário José dos Santos e Ana Batista de Jesus, que na pia batismal da matriz de Exu recebe o nome de Luiz (por ser o dia de Santa Luzia) Gonzaga (por sugestão do vigário) Nascimento (por ter nascido em dezembro, também mês de nascimento de Jesus Cristo.

1915

Nasce no dia 05 de Janeiro, Humberto Cavalcanti Teixeira

1920

trio_formacao_decada_1950

Luiz Gonzaga, com apenas 8 (oito) anos de idade substitui um sanfoneiro em festa tradicional na fazenda Caiçara, no Araripe, Exu, a pedido de amigos do pai; canta e toca a noite inteira e, pela primeira vez, recebe o que hoje se chamaria cachê; o dinheiro - 20$000 - "amolece" o espírito da mãe, que não o queria sanfoneiro. A partir daí, os convites para animar festas - ou sambas, como se dizia na época -, tornam-se freqüentes. Antes mesmo de completar 16 anos, "Luiz de Januário", "Lula"ou Luiz Gonzaga já é nome conhecido no Araripe e em toda a redondeza, como Canoa Brava, Viração, Bodocó e Rancharia.

1921

Em Carnaíba das Flores, município Pernambucano do sertão do Alto Pajeú, nasce em 27 de Fevereiro José de Souza Dantas Filho, que viria a ser um dos mais importantes parceiros na obra de Luiz Gonzaga.

1924

Houve uma grande cheia e o rio Brígida subiu de nível, inundando os arredores. A casa de Januário foi atingida, encheu de água, obrigando a família a se mudar. Foram morar no povoado Araripe, na Fazenda Várzea Grande.

A pedido do coronel Manoel Aires de Alencar, chefe político local, Luiz, já um caboclo taludo, vai com este a Ouricuri para tomar conta de cavalo, onde vê um fole Kock de oito baixos, marca Veado, pelo qual fica louco e passa a amolar o coronel por causa dele. No mês seguinte, repetindo a viagem, o político concorda em pagar a metade dos 12o mil réis do fole, desde que Luiz arque com o resto, o que fez sem muita dificuldade, pois a essa altura já estava ganhando tanto ou mais que o pai, para tocar.

1926

Início real de sua vida artística, quando tocou seu primeiro "samba"ganhando dinheiro. Começou também a estudar no grupo de escoteiros de um sargento da polícia do Rio de Janeiro chamado Aprígio. Seu amigo Gilberto Aires, filho do Cel. Aires, o convenceu a mudar-se para a cidade, deixando o Araripe. Hospedaram-se na casa de Da. Vitalina e o amigo Gilberto foi seu primeiro empresário.

1928

Apaixona-se pela primeira vez por uma donzela sacudida que apareceu pelas bandas do Araripe. Pensa em noivado mas seus planos vão por água à baixo quando sua mãe descobre a trama, pondo fim na história por não achar que a pretendida juntava condições para ser sua nora.

1929

Em uma festa de véspera de ano novo viu pela primeira vez Nazarena, da família Saraiva.

Apaixona-se, mas, sendo repelido pelo pai desta, o coronel Raimundo Delgado, o ameaça de morte. Avisados pelo próprio Delgado, Januário e Santana aplicam uma surra no rapazote que, revoltado, decide fugir de casa, indo a pé até o Crato onde vende a sua sanfoninha por 80 mil réis.Segue para Fortaleza e voluntariamente alista-se no exército depois de mentir a respeito da sua idade. Primeiro disse que tinha 18 anos mas, avisado que mesmo assim necessitaria da autorização dos pais, apresenta-se como se tivesse 21 anos.

1930

Estoura a revolução de 30 no Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraíba. Ingressa nas fileiras do exército ganhando um soldo de 21 mil réis. O então soldado 122, corneteiro, segue com o vigésimo segundo Batalhão de Caçadores para Souza, PB; ainda em missão, segue para o Pará, Ceará e Piauí, interior do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Campo Grande. Ganha fama no exército e um apelido: "Bico de Aço", por ser exímio corneteiro. De passagem por Juiz de Fora, conhece Domingos Ambrósio, que lhe ensina mais alguns truques na sanfona.

1936

Nasce na cidade de Petrolina (PE), filho de Francisco Avelino dos Santos e Laudemira Sales dos Santos, o Padre João Câncio, que mais tarde viria a ser o idealizador da Missa do Vaqueiro e contaria até o fim de suas atividades eclesiástica, em 1981, com o apoio de Luiz Gonzaga.

1939

Deixa o exército ficando provisoriamente na sede do Batalhão de Guardas do Rio de Janeiro, mas, aventureiro, segue para São Paulo; desembarca na Estação da Luz e, nas imediações, compra a sua primeira sanfona branca (todas as suas sanfonas seguintes seriam de cor branca) de 120 baixos. Nesse mesmo ano volta ao Rio de Janeiro, onde faz amizades e, aproveitando o aprimoramento que fizera nos tempos da caserna com o Dominguinhos Ambrósio, que lhe ensinara os segredos do acordeon, inicia a carreira artística, divertindo marinheiros e desocupados em geral no Mangue, lugar também freqüentado por malandros e prostitutas. Explode a segunda Guerra Mundial. O Brasil é literalmente invadido pela música estrangeira, principalmente a Norte Americana.Conhece o violonista Sepetiba. É o ano em que se apresenta pela primeira vez em um palco, no cabaré O Tabu na Rua Mem de Sá.

4357557820_3db1ccc5c9_o

1940

Conhece o guitarrista português Xavier Pinheiro, Amirton Vallin, na boate Elite e outros artistas que, como ele, disputam à duras penas um lugar ao Sol. Toca todo tipo de música, de Blues a Fox Trotes; imita artistas famosos da época, como Manezinho Araújo, Augusto Calheiros e Antenógenes Silva. Começa a apresentar-se em programas de rádio, como calouro. Suas incursões no programa de calouros de Ary Barroso, interpretando tangos e valsas, lhe garantem, no máximo, uma nota 2,5 quando o total seria nota 5.

Numa das casas noturnas onde tocava no Mangue, é desafiado por um grupo de estudantes nordestinos - entre eles o futuro Ministro da Justiça, Armando Falcão - que exigem que toque algo "lá da terra", coisa que Gonzaga tinha abandonado. Depois de treinar em casa durante semanas apresenta-se diante dos mesmos Universitários tocando "Pé de Serra"e "Vira e Mexe". É aplaudido não só pêlos rapazes como por toda a casa. Volta ao programa de Ary Barroso, onde conquista a nota máxima.

1941

O Estado Novo comemora seu quarto aniversário. Vai ao ar a primeira radionovela brasileira: Em Busca da Felicidade. Num Bar da Lapa, Rio, conhece Januário França, que lhe transmite recado do humorista Genésio Arruda para acompanha-lo numa gravação da RCA Victor, por indicação de Almirante e Ari Barroso. Aceita e dá-se bem. Logo é contratado para gravar um disco solo, por indicação do Diretor Artístico Ernesto Matos. Grava, então, ao invés de um e Vários discos.

Nos anos seguintes grava cerca de 30 discos 78 rpm, muitos choros, valsas e mazurcas, todos em solo pois a Victor insiste em não lhe permitir cantar em seus discos, que até então eram só instrumentais. Inicia na Rádio Clube do Brasil para onde foi levado por Renato Mource, substituindo Antenógenes Silva no programa Alma do Sertão. A firma era na época a Victor.

Também neste ano conheceu César de Alencar na Rádio Clube do Brasil, quando o mesmo era o locutor do programa Alma do sertão sob o comando de Renato Mource. Foi quando apareceu Dino, violonista de sete cordas que tinha a mania de apelidar todo mundo. Ao ver a cara redonda de Luiz Gonzaga Dino imediatamente o chamou de Lua, apelido que Paulo Gracindo e César de Alencar se encarregaram de divulgar.

1942

Começa a fazer sucesso e as emissoras de rádio a se interessar, de fato, pelo novo cartaz.

No mesmo ano nasce em Garanhuns José Domingos de Morais que viria a ser o sanfoneiro Dominguinhos, de quem Luiz Gonzaga se tornou um segundo pai e que o tratava como "pai impostor". Luiz Gonzaga começa a fazer sucesso e as emissoras de rádio a se interessar, de fato, pelo novo cartaz. Enquanto isso, o Brasil declara guerra à Alemanha e seus aliados.

1943

Trazido pelas mãos do radialista Almirante - que também foi responsável pela descoberta de Gonzaga - o sanfoneiro catarinense Pedro Raimundo estréia na Rádio Nacional com suas roupas de gaúcho. Inspirado nêle, Gonzagão passa a se apresentar vestido de nordestino. Nessa época, irritado com a interpretação dada por Manezinho Araújo para a sua "Dezessete e Setecentos", parceria com Miguel Lima, o sanfoneiro passa a canta-la. Chovem cartas pedindo que ele continue cantando e a RCA acaba se convencendo a deixá-lo gravar com sua voz. O disco de estréia seria Dansa Mariquinha, outra parceria com Miguel Lima, e que seria gravado em 1945.

1944

É despedido da Rádio Tamoio e, imediatamente, contratado por Cr$ 1.600,00 pela Rádio Nacional, onde o então radialista Paulo Gracindo divulga seu apelido "Lua", por causa do seu rosto redondo e rosado. Ataulfo Alves e Mário Lago são os destaques do ano na área musical, com Atire a Primeira Pedra.

1945

Consegue então o que desejava. Grava seu primeiro disco tocando e cantando, a mazurca Dansa Mariquinha, parceria com Miguel Lima, primeira gravação com o dito e chama a atenção pelo timbre de voz e desenvoltura no cantar. Nesse mesmo ano, e ainda em parceria com Lima grava outros dois discos interpretando Penerô Xerém e Cortando Pano.

Querendo dar um rumo mais nordestino para suas composições, Gonzagão procura o maestro e compositor Lauro Maia, para que este coloque letras em suas melodias. Maia porém apresenta-lhe o cunhado, o advogado cearense Humberto Cavalcanti Teixeira, com quem Luiz Gonzaga viria a compor vários clássicos.

Os instrumentos usados originariamente ( viola, botijão, pandeiro e rabeca ) foram substituídos por acordeão, triângulo e zabumba.

No dia 22 de setembro, nasce de uma relação com a cantora Odaléia Guedes dos Santos o Seu filho Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior

1946

Luiz Gonzaga

Inicia sua parceria com Humberto Teixeira, e grava No Meu Pé de Serra. O sucesso é imediato e enorme. Ao mesmo tempo, o seu nome começa a correr o mundo: Europa, EUA, Japão... Além de No Meu Pé de Serra compôs, entre outras, com Teixeira, Baião, Asa Branca, Juazeiro, Légua Tirana, Assum Preto, Paraíba, etc. Os Quatro Ases e Um Coringa estouram com Baião e Luiz está em todas cantando A Moda da Mula Preta, de Raul Torres e com a marchinha carnavalesca Quer Ir Mais Eu, parceria também com Miguel Lima. Entusiasmado com o sucesso Gonzaga resolve voltar à Exú e nasce, em parceria com Humberto, Respeita Januário. A parceria duraria até 1979, quando falece Humberto Teixeira.

1947

Em Março, grava Asa Branca. É sua primeira gravação com o selo RCA Victor. Essa música rapidamente se torna um de seus maiores sucessos, recebendo as mais diferentes interpretações e gravações em vários países como Israel, Itália, EUA. Em Hollywood é cantada no filme Romance Carioca (Nancy Goes To Rio) por Carmen Miranda. Nesse mesmo ano os destaques musicais são, além de Asa Branca, O Pirata da Perna de Pau e Eu Quero é Rosetar, de João de Barros e Haroldo Lobo e Milton de Oliveira, respectivamente, que por sinal não se tem informações de gravação destas duas músicas por Gonzaga.
Também no ano de 1947 aconteceu o primeiro encontro de Luiz Gonzaga com Zé Dantas, em Recife (PE).

1948

Casa-se com a professora pernambucana Helena Neves Cavalcanti. Os dois se conheceram nos bastidores da Rádio Nacional, quando a moça foi procura-lo para saber se tinha recebido as cartas que lhe havia enviado. Luiz alegou que não tinha tempo de responder correspondências. Helena perguntou porque ele não contratava uma secretária para tal serviço. "Pois está contratada ", foi a resposta. E no dia 16 de Junho do mesmo ano casaram-se. E adotaram uma menina que foi batizada com o nome Rosa do Nascimento, a Rosinha.

1949

Devido a popularidade alcançada, Humberto Teixeira decide candidatar-se à Deputado, diminuindo muito seu trabalho junto ao Rei. Luiz Gonzaga conhece então em Recife o médico pernambucano José de Souza Dantas. Mais tarde Gonzaga diria que este era mais adequado para parceiro que o advogado, pois embora fosse nordestino Humberto Teixeira não saía de Copacabana, não sabia nem mesmo chegar na casa de Gonzaga na zona Norte. O Zé Dantas não, era homem do campo. "Eu sentia até o cheiro de bode nele", dizia Gonzaga. No dia 27 de outubro grava o baião Vem Morena em parceria com Zé Dantas e o forró Forró de Mané Vito. Neste msmo ano faz sua primeira gravação de Baião, fruto de sua parceria com Humberto Teixeira. A parceria com Zé Dantas terminaria com a morte deste em 1962 no Rio.

1950

Ganha, depois de uma apresentação em São Paulo o título de Rei do Baião.Grava a toada Assum Preto e os Baiões Qui Nem Jiló e Paraíba. Está no auge da carreira. Paraíba é gravada pela cantora japonesa Keiko Ikuta, versão de Kikuo Furuno, em disco RCA J-55006-A. No lado B, foi gravada Baião de Dois.Emilinha Borba também grava Paraíba, e é o ano da inauguração da primeira emissora de televisão da América Latina, a PRF-3, Tv Tupy. Neste mesmo ano regrava o sucesso Vira e Mexe em 78 Rpm.

Nesta mesmo ano desponta como um dos maiores vendedores de disco que se tem notícia na história da MPB.

É o ano em que perde sua mãe, Santana.

Luiz Gonzaga Foto Luis Gonzaga

1951

Um jornal carioca publica que "Luiz Gonzaga velho e superado, acaba de assinar contrato com uma firma para viajar pelo Brasil". Puro preconceito, pois Gonzaga reinou soberano de 45 a 55, 56. As 17 prensas da RCA Victor trabalhavam exclusivamente para ele.

Neste mesmo ano sofre um desastre de automóvel que comoveu o País, o que motivou a composição Baião da Penha e uma reportagem especial na revista O Cruzeiro.

Em março deste ano encerrou seu contrato com a Rádio Nacional e firmou um novo com a Rádio Mayrink Veiga, mesmo oficialmente vinculado à Rádio Cultura de São Paulo.

1952

Voltando do seu pé de serra Luiz Gonzaga passou por Caruaru onde resolveu fazer um show. Foi mal recebido pelo proprietário do Cinema Caruaru, o Sr. Santino Cursino, sob a alegação de que "o meu cinema, o melhor da cidade não vai servir de palco prá tocador de harmônica ".

1953

Nasce, em parceria com Zé Dantas a pungente Vozes da Seca - este é o ano de uma grande seca no Nordeste. Compõe também, com Hervê Cordovil, A Vida do Viajante, que Gonzaguinha recriaria em 1979 para surpresa de Gonzaga, que nem se lembrava da letra. Esta gravação foi incluída no LP "Gonzaguinha da Vida", 064-4228410-B, Emi-Odeon. Foi neste ano que ao lado de Zé Dantas e Paulo Roberto, participou do programa da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, No Mundo do Baião, vivendo sua fase de ouro até 1954.

1954

Transferiu-se para São Paulo e suas apresentações ficaram cada vez mais restritas à cidades do interior e do ciclo Junino. Seus discos porém continuavam a ser reprensados.

Gonzagão convida Jackson do Pandeiro e sua mulher Almira, para o Rio de Janeiro. Fariam grande sucesso com seus cocos e são considerados o lado urbano da música nordestina, enquanto Gonzaga seria o agreste. É o ano em que Gonzaga conhece Dominguinhos, que tocava ao lado dos irmãos Morais, em um grupo intitulado Os Três Pingüins. Este fato deu-se em Olinda.
Já no Sertão Pernambucano, em Serrita, nas Caatingas do sítio Lages, era encontrado morto, no dia 08 do mês de Julho, o vaqueiro Raimundo Jacó, primo de Luiz Gonzaga, fato que depois viria a originar a Missa do Vaqueiro.

1955

luizgonzaga-capafrente2

Luiz Gonzaga grava seus primeiros discos compactos de 45 rpm.

Também neste mesmo ano gravou o seu primeiro LP de 10 polegadas, 33 rpm, pela RCA Victor. Uma Compilação dos disco de 78 RPM.

1956

A Lei 1544/56, de autoria do então Deputado Federal Humberto Cavalcanti Teixeira, que limita a execução de músicas estrangeiras no Brasil é aprovada.

Começo das tentativas de aproximação do vaqueiro Zé Marcolino - José Marcolino com o Rei do Baião, através de correspondências que, segundo o próprio nunca chegaram às suas mãos. O encontro pessoal se daria mais tarde no ano de 1960.

1957

Grava o primeiro disco com composição de Onildo Almeida. Em um lado A Feira de Caruaru e no outro Capital do Agreste de Onildo Almeida e Nelson Barbalho.

1958

LUIZ-GONZAGA-O-MESTRE

Começa o apogeu da Bossa Nova com João Gilberto, Tom Jobin, Vinícius e outros. O movimento cresce com adesão de Carlos Lira, Roberto Menescal, Baden e outros mais. Luiz Gonzaga por sua vez gravou seu primeiro LP de 12 polegadas, 33 rpm. Pela RCA Victor. XAMEGO

1961

Luiz Gonzaga entra para a Maçonaria. Neste ano compõe com Lourival Silva e grava Alvorada de Paz, em homenagem ao então Presidente da República Jânio Quadros, que renunciaria sete mêses após assumir a Presidência.
Conheceu pessoalmente José Marcolino - o Zé Marcolino, de quem gravaria depois várias obras.

1962

Ano da morte do poeta, folclorista e parceiro Zé Dantas.

Neste mesmo ano lança os seus primeiros compactos simples e duplo, 33 rpm, pela RCA Victor.

1963

De sua parceria com Nelson Barbalho grava A Morte do Vaqueiro no mesmo ano conhece o poeta popular cearense Patativa do Assaré . O clima político é tenso, e os brasileiros decidem em plebiscito a volta do sistema presidencialista.

1964

Grava a composição A Triste Partida de Patativa do Assaré. O sucesso é total principalmente junto ao nordestino que vive no Sul. Grava também, no LP O Sanfoneiro do Povo de Deus a primeira composição de Gonzaguinha, "Lembrança de Primavera".

1965

Asa Branca é gravada por Geraldo Vandré em seu Lp "Hora de Lutar". Gilberto jovem, um compositor jovem da Bahia começa a citar Luiz Gonzaga em suas entrevistas, como uma de suas maiores influências. Mais adiante Luiz Gonzaga gravaria duas composições de Vandré (Para Não Dizer Que Não Falei das Flores e Fica Mal Com Deus), como retribuição.

1966

Sinval Sá lança o livro O Sanfoneiro do Riacho da Brígida - Vida e Andanças de Luiz Gonzaga - O Rei do Baião. O sanfoneiro é impedido de cantar no festival FIC 66, a música São os do Norte Que Vêm, de Capiba e Ariano Suassuna.

1968

re_21[1]

Um pouco fora de destaque no cenário musical, Luiz Gonzaga viu seu nome novamente em ascensão depois que, nesta ano, Carlos Imperial espalhou no Rio de Janeiro que o conjunto Inglês The Beatles acabara de gravar a música Asa Branca. Não era verdade, mas foi o que bastou para que Gonzaga voltasse às manchetes. E por um longo tempo Gonzaga sempre falou em entrevistas, do interesse "dos cabeludos de Liverpool por essa música".

1970

Para os anos 70 estava reservada a explosão dos ritmos estrangeiros, particularmente o Rock'n'roll, oriundo dos anos 50, onde encontrava defensores como Cely e Tony Campelo, Carlos Gonzaga, etc. Era a presença em nossa música os Beatles, Ingleses. Dos Estados Unidos chegava a música de Elvis Presley. No Brasil era a vez de Roberto Carlos que já vinha com o seu programa Jovem Guarda. Carlos Imperial, Erasmo Carlos etc., davam força ao movimento.

1971

Lança o LP "O Canto Jovem de Luiz Gonzaga". O produtor Rildo Hora alega que "este disco não é para sucesso e sim uma homenagem para a juventude. Em Londres Caetano Veloso grava Asa Branca, assim como Sérgio Mendes e seu Brasil 77. É o ano do primeiro contato do então desconhecido Fagner com Luiz Gonzaga, no Rio. O sanfoneiro apresenta-se em Guarapari fazendo sucesso entre os hippies de então.

Foi também do ano de 1971 que, por iniciativa do Padre João Câncio, com o apoio do cantor Luiz Gonzaga - primo de Raimundo Jacó - e pelo poeta Pedro Bandeira, famoso repentista do Cariri, realizou-se a primeira Missa do vaqueiro, no sítio Lages, na cidade de Serrita, em pleno sertão Pernambucano, como homenagem a Raimundo Jacó, que teria sido morto morto por um companheiro, e principalmente em forma de tributo ao vaqueiro nordestino. Mas a principal preocupação do Pe. Joâo Câncio era trazer de volta para a igreja os vaqueiros. Com a celebração o Padre Vaqueiro conseguiu ver seu desejo realizado.

1972

Foto 2

Pelas mãos de Capinam apresenta o espetáculo "Luiz Gonzaga Volta Para Curtir" no Teatro Teresa Raquel, no Rio de Janeiro. Sob a direção de Jorge Salomão e Capinam, o delírio é total, e é a primeira vez que Gonzagão enfrenta uma platéia somente de jovens.

1973

Deixa a RCA Victor e passa para a Odeon, por um breve espaço de tempo, embalado pelo sucesso reconquistado. Tenta lançar sua candidatura a deputado Federal pelo então MDB mas desiste logo da idéia, quando sentiu que os votos que obteria seria em troca de favores. Inezita Barroso grava Asa Branca como também o cantor grego Demis Roussos, sob nome de White Wings, com letra em inglês.

O então Governador de Pernambuco Eraldo Gueiros Leite, seriamente preocupado com o clima de discórdia e violência reinante em Exu, pediu para que Luiz Gonzaga tentasse apaziguar os conflitos entre famílias tradicionais daquela cidade.
Neste mesmo ano por iniciativa da Prefeitura do Município de Serrita, foi erigida a estátua de Raimundo Jacó, esculpida por Jota Mendes, artista de Petrolina.

Também neste ano grava seu primeiro LP pela Emi Odeon.

1974

luiz-gonzaga-o-reino-do-baiao

É construído o Parque Nacional do Vaqueiro, e criada em 24 de Outubro desse mesmo ano a Associação dos Vaqueiros do Alto Sertão Pernambucano.

1976

O Projeto Minerva dedica um especial à obra de Luiz Gonzaga. Neste mesmo ano grava seu primeiro compacto simples de 33 rpm pelo selo Jangada, com a música Samarica Parteira de Zé Dantas. A música ocupou as duas faces do disco.

1977

Estréia no "Seis e Meia", no Teatro João Caetano ao lado de Carmélia Alves. O sucesso é total, inclusive com grande afluência de jovens ao Teatro.

1978

re_21[1]

É lançado no mercado um disco como forma de menção especial a Luiz Gonzaga, - a Grande Música do Brasil, a Grande Música de Luiz Gonzaga, pela Copacabana, produzido por Marcus Pereira com arranjos e direção de orquestra a cargo do maestro Guerra Peixe. É uma versão sinfônica de clássicos da obra de Luiz Gonzaga.
Foi também o ano da morte de Januário, no dia 11 de Junho.

1979

Morre o compositor, advogado e instrumentista Humberto Teixeira. E Luiz Gonzaga grava o Disco Eu e Meu Pai em homenagem a Januário.

1980

Em Fortaleza, depois de ser literalmente atropelado pêlos seus fãs e por fiéis da igreja, Luiz Gonzaga canta para o Papa João Paulo II. Recebe do sumo pontífice a expressão - Obrigado Cantador. Foi um dos mais emocionantes e gratificantes momentos da vida do sanfoneiro, que novamente pensou em candidatar-se a política mas desistiu aconselhado por amigos.

1981

Recebe os dois únicos discos de ouro de toda sua carreira. A RCA Victor presta-lhe significativa homenagem pelo marco de seus 40 anos de carreira, com o lançamento do disco A Festa:

Apresenta-se no festival de verão do Guarujá, na praia de Pitangueiras, ao lado do veterano Osmar Macedo, co-fundador do Trio Elétrico Dodô e Osmar. Neste mesmo ano visita o então Presidente da República Aureliano Chaves, pedindo-lhe que intervenha em Exu, devido às rixas entre as famílias Saraiva, Alencar e Sampaio, fato que acontece poucos dias depois terminando com uma rivalidade que já durava alguma décadas.

E através do decreto do poder executivo estadual 7.549, de 09 de novembro de 1981, foi nomeado interventor de Exu o major PM Jorge Luiz de Moura, decreto este publicado no Diário Oficial número 209, do dia 10 de novembro.

Grava Junto com Gonzaguinha o Disco Descanso em Casa , Moro no Mundo. Os dois fizeram juntos incríveis apresentações por todo Brasil.

1982

Atendendo convite da cantora Nazaré Pereira, lá radicada, viaja para a França apresentando-se em Paris no teatro Bobinot. A cantora fazia sucesso com a música Cheiro da Carolina e decidiu levar o Rei para a França o conhecer. Na platéia, entre outros, estavam Maria Bethânia, Celso Furtado e o ex-ministro Nascimento e Silva.

1983

Lança o disco 70 anos de sanfona e simpatia.

1984

Luiz Gonzaga canta no disco de Gal Costa - Profana em uma faixa em homenagem a Jackson do Pandeiro.
Grava seu primeiro LP com o Cearense Raimundo Fagner.
1985

É agraciado com o troféu Nipper de Ouro. Além dele, somente o cantor Nelson Gonçalves recebe tal troféu.

1986


Vai à França pela segunda vez, apresentando-se no dia 6 de Julho no Halle de La Villete, ao lado de Fafá de Belém, Alceu Valença, Moraes Moreira, Armandinho Macedo, entre outros artistas que faziam parte da comitiva o “Couleurs Brésil”.
1988


A RCA Victor lança uma caixa luxuosa com cinco LPs, batizada de 50 Anos de Chão, cobrindo a carreira de Gonzaga desde as primeiras gravações instrumentais. Fagner produz o segundo LP de encontro com o Rei.

1989
Grava seu primeiro LP pela Copacabana, seguidos de mais três LPs, que seriam os últimos de sua carreira; (Verificar na discografia) No dia 06 de Junho, Luiz Gonzaga sobe pela última vez num palco, com o auxílio de uma cadeira de rodas. A platéia presente no teatro Guararapes no Centro de Convenções no Recife não podia prever que não mais veria o velho Lua. Ao lado de Dominguinhos, Gonzaguinha, Alceu Valença e vários outros amigos e parceiros, e desobedecendo à ordens médicas, Gonzagão levantou-se apoiado no microfone e, com sua voz forte e anasalada, apesar de um pouco trêmula, fez pequeno discurso louvando o forró e dizendo: “Quero ser lembrado como o sanfoneiro que amou e cantou muito o seu povo, o sertão, que cantou as aves, os animais, os padres, os cangaceiros, os retirantes, os valentes, os covardes, o amor...”De osteoporose, Luiz Gonzaga morreu no dia 02 de Agosto de 1989, às 05.15hs, no Hospital Santa Joana, no Recife, onde dera entrada há 42 dias. Seu corpo foi velado na Assembléia Legislativa do Estado e o Governo de Pernambuco decretou luto oficial por três dias. No dia 13 de dezembro, Gonzaguinha, Fagner, Elba Ramalho, Domiguinhos, Joãozinho do Exu e Joquinha Gonzaga cantam a meia noite parabéns para Luiz Gonzaga, em Show realizado em Exu. Nesse mesmo dia, pela manhã, foi inaugurado em Exu por Domiguinhos e Gonzaguinha o Museu do Gonzagão.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Petição Cassação de Bolsonaro – Clique no link no texto e assine

|0 comentários

Jair-Bolsonaro-tremenda-bichona

Agora passou dos limites, o Deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) disse na tribuna no dia 09/12 a Deputada Maria do Rosário que "só não lhe estupro porque você não merece".

O deputado já tem em seus histórico: agressões, xingamentos e discursos de ódio contra deputados progressivos, não podemos mais aceitar nenhum engavetamento. Isso é quebra de decoro parlamentar! Fora Bolsonaro!

http://juntos.org.br/2014/12/por-um-mundo-sem-bolsonaros/

 

Contato: Facebook: Cristian Nunes

email: cristianlucasnunes@hotmail.com

CHEGAMOS AO 100 MIL---

A LUTA CONTINUA!  VAMOS LUTAR PARA CONSEGUIR 500 MIL ASSINATURAS E MOSTRAR PARA OS DEPUTADOS ANTIDEMOCRÁTICOS COMO O BRASILEIRO GOSTA DA POLITICA.

O MOVIMENTO SOCIAL MOSTRARÁ O SEU PODER DE MOBILIZAÇÃO E O DEPUTADO BOLSONARO OUVIRÁ DO POVO BRASILEIRO QUE ELE NÃO O REPRESENTA.

#Rumoaos500mil

#ForaBolsonaro

Clique no link abaixo e assine a petição

https://secure.avaaz.org/po/petition/Conselho_de_Etica_da_Camara_dos_Deputados_Cassacao_do_Deputado_Jair_Bolsonaro_PPRJ/?rc=fbdm&pv=17

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Clinope volta atender SASSEPE em Garanhuns

|0 comentários

Ligamos para ASSEPE que entrou em contato com o CONDASP que resolveu o problema da CLINOPE Garanhuns.Portanto, a CLINOPE já está atendendo os usuários do SASSEPE na cidade.

domingo, 7 de dezembro de 2014

Garanhuense só gosta de “enlatados” ? Dois filmes que jamais passarão no Eldorado

|0 comentários

 

cinema_brincante11

O longa-metragem “Brincante” mergulha na obra de Antonio Nóbrega. A viagem é conduzida pelos seus personagens João Sidurino e Rosalina – das peças “Brincante” e “Segundas Histórias”, encenadas por Nóbrega e sua mulher, Rosane Almeida.

Misto de ficção e documentário, “Brincante” apresenta a trajetória de um artista que, ao se referenciar no imaginário cultural popular brasileiro, vem criando uma obra que se diversifica entre teatro, música e dança.

Com direção de Walter Carvalho e produzido pela Gullane Filmes, com apoio de produção da Brincante Produções, ‘Brincante” será lançado nos cinemas em 2014.

Pra quem não sabe Nóbrega é o maior artista do Estado de Pernambuco, denominado de multiartista por fazer com maestria várias formas de ARTE. E não ter espaço no nosso cinema é uma VERGONHA.

 

Filme sobre a Vida daquela que pode ser considerada a maior Nordestina do Século XX.

O diretor do filme Irmã Dulce, Vicente Amorim, destacou as dificuldades de lidar com um personagem de tamanha importância. "É muito difícil contar a história de uma mulher que é objeto de culto" disse o diretor.

Filme (Foto: Ique Esteves / Divulgação)

Filme sobre a vida da religiosa foi gravado na BA
(Foto: Ique Esteves / Divulgação)

Dedicado a contar a história do "Anjo Bom da Bahia", o filme sobre Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, a "Irmã Dulce", beatificada em 2010, traz detalhes da vida da freira baiana, que cuidou de pobres e doentes, além de ser fundadora das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid).

O filme mostra as dificuldades enfrentadas pela "Bem-Aventurada Dulce dos Pobres" como o preconceito, o machismo, os dogmas da Igreja e sua própria doença respiratória, para construir a Osid.

O longa metragem foi filmado em Salvador, cidade em que a religiosa nasceu no dia 26 de maio de 1914. A freira baiana morreu no dia 13 de março de 1992, aos 77 anos.

Existe uma lei de cotas para filme Nacional, ai temos dois grandes filmes e nenhum dele possivelmente passará no Cinema de Garanhuns. Na verdade os bons filmes são exibidos no cinema da mesma Fraquia existente na Capital.Pra nós garanhuenses só sobram os ENLATADOS americanos. Ou o nosso público não tem bom gosto por cinema?Vemos sempre que lá são apresentados filmes europeus, asiáticos e Nacional, diferentemente daqui que só exibe filmes Norte americanos. Gostaria que a Gerência do cinema se posicionasse sobre o assunto.

A História de Vida desta mulher tem de ser divulgada aos quatro cantos do nosso país, independente de crença ou religião.Ela é uma daquelas figuras que transcencem a tudo.

P.S. Temos críticas positivas de ambos os filmes, considerados muito bons.

Professor Albérico em plena Recuperação em Recife.

|0 comentários
alberico
Recebemos notícia do Próprio Albérico que em breve receberá alta.


Breve divulgaremos nota do Próprio Professor Albérico, diretor do Diocesano sobre sua SAÚDE.

sábado, 6 de dezembro de 2014

Prefeitura Do Recife usa lei caduca contra Trabalhadores da Educação

|0 comentários

 

DENÚNCIA

A secretária executiva de Rede da gestão Geraldo Júlio, Danielle Freitas, para intimidar os servidores da Secretaria de Educação, para que não façam quaisquer críticas ou reclamações sobre a gestão moribunda do alcaide, mandou a seguinte mensagem a todos ali lotados:

"Dirigentes e Gestores, Servimo-nos do presente para reafirmar o determinado no Estatuto dos Funcionários Públicos do Município do Recife, Lei nº 14.728/85, que, ao estabelecer as proibições impostas aos servidores públicos veda, no art. 188, incisos II e IV, referir-se a autoridade ou atos da Administração Pública de modo depreciativo, bem como promover manifestação de apreço ou desapreço. Sendo certo, portanto, que a todo e qualquer servidor municipal, no recinto da repartição, não é consentido manifestar apreço ou desapreço por determinada pessoa, instituição ou causa, por força do dever de lealdade e fidelidade à instituição e em homenagem aos princípios da moralidade administrativa e impessoalidade. O desrespeito às proibições tipificadas no supracitado Estatuto implicará a aplicação das penalidades cabíveis a serem apuradas mediante o devido Processo Administrativo Disciplinar.Na oportunidade apresentamos nossas cordiais saudações. Atenciosamente, DANIELLE DE FREITAS"

A ditadura do PSB dentro da Prefeitura do Recife não encontra limites. Eles amordaçaram a mídia, calando os jornalistas e agora ameaçam os servidores com inquéritos baseados em dispositivos caducos e inconstitucionais porque em desacordo com direitos assegurados pela Constituição. A gestão Geraldo Júlio quer seconder sua incompetência e sua falência impondo a ei da mordaça em plena democracia. Ignora que a censura foi abolidada junto com a ditadura e que a livre manifestação do pensamento é direito fundamental ínsito ao regime democrático.

Silenciosamente, 72% do povo pernambucano disse ao PSB que não aceita cabresto, mas parece que Geraldo Júlio ainda não entendeu! Não nos calarão! Em 2016, nós, servidores da PCR, vamos tirar você daí, Geraldo Ditador!!!

Será que este “aprendizado” não estará na Cartilha do novo Governo do Estado? Preparemo-nos.

Fonte: Blog da Noelia Brito

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Programação Natal Luz – Dezembro - Garanhuns

|0 comentários

natal luz
Programação Natal Luz – Palco Prefeitura
DATA: 05/12 às 20h – Sexta-Feira Quinto Duo Brasil: “Natal Tocado”



DATA: 06/12 às 20h – Sábado Banda Neander – “Show Voador”



DATA: 12/12 às 20h – Sexta-Feira Banda do 71º. BIMTZ
Henrique Cesar e Banda: “Sucessos Internacionais




DATA: 13/12 às 20h – Sábado Cafuringa e Banda: “Anos Dourados no Natal Luz”



DATA: 19/12 às 20h – Sexta-Feira
Fábio Aladim: ”O Piano e o Sax interpretam Roberto Carlos”
Bailarte “Sonhos de Criança”




DATA: 20/12 às 20h – Sábado
Banda Mojubá : “Sei que Soul, Funk, Batuque e Etc.”




DATA: 26/12 às 20h – Sexta Alexandre Seixas e Banda (Raul Seixas Cover)



DATA: 27/12 às 20h – Sábado Guto Sállen: “Emoções Natalinas” (Roberto Carlos Cover)



DATA: 31/12 às 20h – Quarta-feira O Show da virada – “SambAmanhã”, Alexandre Revoredo



PALCO ÁRVORE CANTANTE - COLUNATA


DATA: 12/12 – Sexta-Feira

18h — Reisado da APAE Garanhuns

19h — Coral Infantil da APAE Garanhuns


 

DATA: 13/12 – Sábado

18h — Reisado Garanhuns Cultural – Mestre Gonzaga de Garanhuns

19h — Coral do Presbitério de Garanhuns


 

DATA: 19/12 – Sexta-Feira

18h — Reisado Mestre João Tibúrcio

19h — Violinos da Escola Salomão Rodrigues Vilela


 

DATA: 20/12 – Sábado

18h — Reisado Santíssimo Redentor – Mestre Viturino

19h — Coral do Colégio Santa Joana D’Arc


 

DATA: 26/12 – Sexta-Feira

18h — Programa AABB Comunidade – Flauta Doce e Violão

19h — Cantata de Natal “Haja Paz” -Grupo Cantares


 

DATA: 27/12 – Sábado

18h — Cavalo Marinho e Dança do Siriri – Capoeiras

19h — Grupo Orquestrando Vidas – CRAS

DESFILES DE NATAL

DOMINGO: 14/12 às 16h30min —  Av. Santo Antônio (Concentração em frente ao Palácio Celso Galvão)
CARRO ALEGÓRICO/ PAPAI NOEL | Banda Marcial Escola Professora Gabriela Mistral


DOMINGO: 21/12 às 16h30min —  Av. Santo Antônio (Concentração em frente ao Palácio Celso Galvão)
CARRO ALEGÓRICO/ PAPAI NOEL | Banda Marcial Escola Professor Mário Matos


DIA DE NATAL – 25/12 às 16h30min —  Av. Santo Antônio (Concentração em frente ao Palácio Celso Galvão)
CARRO ALEGÓRICO/ PAPAI NOEL | Banda Marcial Escola Miguel Arraes de Alencar


DOMINGO: 28/12 às 16h30min —  Av. Santo Antônio (Concentração em frente ao Palácio Celso Galvão)
CARRO ALEGÓRICO/ PAPAI NOEL | Banda Marcial Escola José Ferreira Sobrinho (São Pedro)

 

 

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Resultado geral das Eleições SINTEPE – Agreste Meridional

|0 comentários
 

Agradecemos a cada companheiro(a) que exerceu seu direito democrático do Voto e nós deu uma Vitória Consagradora nas Eleições do SINTEPE. Este resultado nos dá ânimo para que possamos iniciar esta nova etapa com mais vontade e garra em defesa da Categoria.

Coordenação Regional eleita:

DSCN0609 

José Rafael Dioníso da Silva

Adelmo Buarque de Souza

Lindinalva Campos

Augusto Souto

Maria Ferreira – Que não está na foto.

 

 

                  Resultado Coordenação Regional

Urnas

Votantes

Educação e luta

 

%

 

B e N

 

%

50- Elisa

39

33

85¨

06

15

51- A.Belas

35

31

89

04

11

52- Brejão

59

56

95

03

05

53-Jupi

69

65

94

04

06

54-Sede

100

97

97

03

03

Total

302

282

94

20

06

Resultado Direção Estadual

Urnas

Votantes

Chapa 1

  %

Chapa 2

%

B e N

%

50- Elisa

39

28

72

05

13

06

15

51- A.Belas

35

21

60

14

40

00

00

52- Brejão

59

57

96

02

04

00

00

53-Jupi

69

62

90

04

06

03

04

54-Sede

100

94

94

04

04

02

02

Total

302

262

82

 

09

11

04